Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2009

Uma música de Lou Reed tocava quando a campainha tocou. A rapariga foi à porta e deixou o convidado entrar.

-Boa tarde Lúcia!

-Olá Pedro, entra!

O rapaz entrou na casa, um pouco envergonhado.

Eram da mesma turma mas ainda não se conheciam bem, e agora a professora de Física Química tinha-os juntado para um trabalho.

-Eia, Lou Reed! Gosto mesmo desta música! - exlamou ele.

-Lou Reed, aqui em casa, é o patrão. O meu pai faz-me ouvi-lo desde pequena.

O pai entrou no quarto, sorridente:

-Alguém falou em Lou Reed?

-Pai, este é Pedro, o meu colega de turma, toca nos Musty Joe...

-Ah, a melhor banda da cidade...A minha filha contou-me algumas coisas sobre vocês...

-Contou-lhe que vamos dar um concerto ao ar livre daqui a duas semanas? - revelou Pedro com um sorriso.

-Ai, isso é que já não! Oh, bolas, a duas semanas já não há bilhete que se arranje... - disse em jeito de brincadeira.

-A Lúcia pode ir? Ela é nova aqui na zona não é? Nós depois levavamo-la a conhecer a cidade.

-Bem, não sei...Façam o vosso trabalho que ao lanche falamos nisso!

Era difícil pensar em matéria bafienta quando há um tema tão apelativo como a música. Mas após uns "desvios", gargalhadas e interrupções, o trabalho foi acabado, os dois davam-se muito bem e nem reparavam nisso, porque parecia que se conheciam há anos.

-Ah, já não me ria assim há... - Pedro perdeu-se em pensamentos. - Ultimamente tenho vivido de uma maneira...

-Exagerada... - constatou a rapariga.

Ela bem o via, as aulas em que ele adormecia, ou vinha com os olhos vermelhor, a rir que nem um doido sem aparente razão. Não que fosse só ele a aparecer assim, mas dava para notar nele uma razão bem mais profunda que a de se mostrar forte.

Veio quebrar o silêncio o pai de Lúcia, com o seu constante bom humor:

-Aposto em como o Pedro nunca provou  um bolo tão bom como o meu, hã Pedro?

Durante o lanche era inevitável não rir com as piadas do Sr.Sauvage (os pais de Lúcia eram franceses), sem esquecer que o bolo estava mesmo uma delícia.

No final da tarde, Pedro já se sentia em casa, e custava-lhe ter que se ir embora.

-Bem, a minha mãe já deve estar preocupada...O melhor é voltar...

-É pena teres que ir, mas lá isso deve ser verdade, já é tarde.

Oh, se era assim! A mãe lá se preocuparia com alguém senão ela! Lá ela queria saber onde andava o filho! O filho que para mal dos seus males, lhe lembrava o pai, de quem ela nunca gostara.

A casa dele era a uns 5 quarteirões dali, e Lúcia pôs Pedro à vontade, sempre que quisesse voltar, a porta estaria aberta.

Talvez voltasse, para refugiar-se no conforto de uma família que não a sua, da sua nova amiga.

 

 

 

À parte: acho que inventei palavras e expressões...

Ainda mais à parte: espero que tenham tido um bom 14 de février (não sei se é assim que se escreve, ahah)

Tão à parte que nem sei porque escrevo: OBRIGADA CÓPIAS DE SEGURANÇA, SALVARAM-ME O DIA! *.*


música Daddy cool - Boney M
sinto-me wu uh Disco baby!!

publicado por Caff Eine às 18:58 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

8.30 da manhã. Sala de aulas.

-Bom dia a todos. Gostava de vos comunicar algo. - resmoneou o ensonado professor de Biologia.

A porta abriu-se, e com isto disse:

-Apresento-vos uma nova aluna, Lúcia.

Uma rapariga parou diante da turma, visivelmente embaraçada. Os seus olhos azuis escondiam-se por detrás de uma cabeleira desgrenhada, e a sua cara estava salpicada de sardas. Calçava umas Converse sujas e rotas,mas não tão rotas como as calças.

-Bem, a matéria não se dá sozinha, se quiserem abrir os livros na página 118...Lúcia, senta-te ali ao pé do Marco, aquele rapaz que... - fez pausa para atirar um giz - estava a dormir.

Como seria de esperar, os olhares caiam todos em cima dela, e no final da aula, as raparigas mais atrevidas (e curiosas) foram ter com ela.

-Lúcia, não é? Marta, prazer! - apresentou-se uma rapariga alta e morena. - Esta é a Tiff, e esta a Xana!

Um duplo "Olá", ao qual ela respondeu timidamente.

-Queres vir comer um croissant ao Sena connosco? A gente apresenta-te ao pessoal!

-Oh, obrigada.

Aparentemente, eram populares, porque mal chegaram gritaram "Pessoal, esta é a Lucy!", ao que o "pessoal" respondeu "Hey, Lucy!!".

Todos riam e conversavam, esquecendo as aulas e falando de festas, namoros, música e novidades. A superficialidade era palpável, atitudes adoptadas, modas e amizades com segundas intenções, era aquele o universo da juventude.

 

*

 

Nota1: Quando reli o "Hey, Lucy!!",veio-me uma má vibe rotulada de "Luciana Abreu", bolas! A moça não tem naaaada a ver!

Nota2: Isto da numeração romana tem muita classe, mas já há muito que apaguei os conhecimentos que tinha dos grandes números. -.- Tristeza.



publicado por Caff Eine às 21:00 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

-As tuas notas não param de descer. - constatou o homem com aspereza.

"F*, queria ir para a Academia e não me deixaram, não vou sequer esforçar-me." , pensou o rapaz, perante o olhar frio do padrasto. Nunca o chamara de pai, mas também não era necessário qualquer tipo de nome, visto raramente lhe dirigir palavra.

-Tu estás a ouvir-me rapaz?

-Pedro responde ao teu pai! - guinchou a mãe.

- Porra ele não é meu pai! - levantando-se da cadeira bruscamente e dirigindo-se para o quarto.

Depois de trancar a porta, pegou na guitarra e mandou uns acordes ao acaso, coisa que fazia frequentemente quando estava perturbado.

Algo lhe soou bem, e apontou numa folha que tinha à mão, quando uma música dos Nirvana começou a tocar. Era o seu amigo Marco que lhe ligava.

-Pá, queres vir até ao Teles?

Teles era o café da zona, onde os rapazes iam jogar bilhar e matraquilhos ao fim de semana.

-Ya, vou aí ter daqui a 15minutos.

-'Tá-se. - e desligou.

Ninguém deu por ele a pegar nas chaves e sair, ou ninguém se importou muito.

E pela milionésima vez, abraçou a rua, escura numa noite sem luar.

 

*



publicado por Caff Eine às 20:47 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Procurou a t-shirt, encontrando-a no chão com poucas condições de voltar a ser vestida. A cabeça palpitava, e quando se baixou ameaçou explodir. Os amigos, preocupados, viam que ele não estava bem.

-Sabes que andas a exagerar um pouco... - disse um.

-Devias ter mais controlo... - disse outro.

Ele não respondeu, concentrado no casaco que aparentava não ter mangas. Eles não percebiam nada, não estavam na situação dele. O homem que lhe deu sentido à vida tinha partido, a mãe nem parecia preocupar-se, tinha-se casado com um empresário atarracado e arrogante. Se Pedro devia o que sabia a alguém, era ao pai. Desde muito novo tinha contacto com a música, os primeiros acordes na guitarra tinha-os dado com cinco aninhos, sabia tocar piano e podia-se gabar de ter conhecido excelentes músicos. O seu pai descobriu que tinha um cancro quando Pedro tinha 10 anos, e pouco antes do 11º aniversário morreu, para choque de todos, visto ter guardado segredo.

"Nunca conheci ninguém que soubesse tão bem o que era a vida." , afirmou um dos seus grandes amigos.

De facto, assim era. Pedro era filho de uma relação problemática, fruto de uma noite imprudente. A mãe, era, literalmente, uma vadia, por quem o pai se apaixonou, e não foi correspondido, mas sim cobiçado. A sua fortuna e fama enquanto guitarrista de uma banda popular levaram-no a um casamento infeliz, mas que, mesmo assim, lhe deu algo de positivo: o filho.

O filho que agora calçava as sapatilhas ao contrário com os olhos vermelhos e semicerrados. O filho que se perdera no mundo.

 

*



publicado por Caff Eine às 19:48 | link do post | comentar | ver comentários (1)

A última bebida ainda estava na mão dele, por acabar.

Tinha adormecido naquela cama, provavelmente estando a sonhar com coisas bizarras.

O miúdo passava a vida a embebedar-se. Não que a culpa fosse inteiramente da bruxa da mãe, mas certamente que ajudava. Tinha uma vida miserável, à sua maneira, e a banda e a bebida eram os seus únicos escapes.

-Pedro! - exclamou um dos seus colegas.

Pof! O punho de Pedro voou para a cara de Marco, o amigo.

-Cala-te. - grunhiu.

-F* pá já vi que a ressaca é grande, mas tens que sair daí, os pais da Vanessa não te podem ver assim!

 

*



publicado por Caff Eine às 19:42 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Antes de mais, bem vindos! :)

Apesar do que o url vos possa transmitir, isto não é nenhuma publicidade a produtos de emagrecimento, beleza ou livros de auto-ajuda.

Foi apenas um nome ridículo que arranjei para simbolizar a minha coragem em criar um blog (talvez depois me arrependa, haha).

O que tinha em vista era postar aqui as histórias que imagino (que podem conter o mais variado tipo de falhas) e gostava que me dessem algumas dicas ou simplesmente criticassem, negativa ou positivamente.

Bem, enjoy it!

 


Caff


sinto-me Envergonhada

publicado por Caff Eine às 19:32 | link do post | comentar | ver comentários (4)

mais sobre mim
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

#3

cenas de aeroporto

the kills

blog fantasma

cinco minutos

...

The Tale XIII

uma migalha daqui, uma mi...

Dimanche, Dimanche

The Tale XII

arquivos

Setembro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

5 para a meia noite laranja haiti profes

café vagabundo música moda saldos autoca

concerto

domingo franz ferdinand preguiça

drama novela rapaz the tale

euromilhões música dinheiro paris whatev

férias caos desculpa

música

música filme livro comida mulher mês gos

música the kills jamie hince alison moss

pedro cancro guitarra tale conto

pedro marco tale conto

pessoal

prémio

selo prémio

tramp arriscar risk aventura mentira

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds