Sábado, 6 de Fevereiro de 2010

A semana foi passando, e nada de pazes à vista. Pedro e Bastos provocavam-se um ao outro, Marta regozijava-se com o seu "troféu" e Lúcia não sabia o que fazer.

Estavam no último período, só haviam mais 2 testes para salvar Pedro de ficar retido. Mas entre os últimos problemas esse era certamente o menor dos seus problemas, e, como planeava convencer a mãe a inscrevê-lo na escola de guitarra, nem sequer considerava a ideia de se esforçar.

Infelizmente o professor de Filosofia tinha pedido um trabalho, algo acerca de problemas sociais, e, ironia do destino, a sua companheira de trabalho era Lúcia. "Se quiseres, vens a minha casa no sábado...", dissera ele, lentamente, quase parecia ter a boca seca. Custava-lhe um pouco ir ter com ela, mas ao mesmo tempo uma saudade enorme insinuava-se. Queria que voltasse tudo ao normal, queria voltar a estar com aquela paz de espírito, contar histórias e rir-se sem amanhã. Mas não ia dar o braço a torcer nunca, isso não. Rapaz orgulhoso. E então agora que ela e Bastos estavam tão íntimos, a distância parecia ainda maior. Lúcia conseguira em menos tempo aquilo que Pedro não conseguira em anos: uma amizade sólida. Bastos era mesmo muito distinto e embora gostassem de divagar sobre música e compusessem algumas coisas em conjunto, não passava disso.

Era uma sexta feira, o tempo estava nublado, com um horrendo calor abafado, e Pedro voltava para casa à boleia de Marco. Qual não foi a sua surpresa quando viu bagagens nas escadas e a porta principal aberta. "M*, esqueci-me que era hoje que chegavam!"

- Xii, a minha mãe e o Ramiro chegaram.

- Boa sorte pá, - encorajou Marco, do lado de dentro do carro. - vemo-nos amanhã no ensaio.

O rapaz nem teve tempo de traspôr a ombreira da porta, pois um par de braços o agarraram com uma força enorme. Quando pode levantar os olhos, estes nem queriam acreditar no que viam. Não era a mãe que o abraçava, era o padrasto. Estava com um ar preocupadíssimo, não ia nada bem com a sua habitual expressão de arrogância. Parecia outro até.

- Pedro, estás bem? Está tudo bem? - disse nervoso.

"Ok, estranho.", pensava o rapaz.

- Sim, es-está. - retorquiu, um pouco a medo.

- Olha, escuta, preciso de te contar uma coisa.

 

-*-

 

Como se pode constatar, encontrei o caderno! 3 vivas! E, como também se vê facilmente, a novela está mesmo a começar. Meeeeesmo. Preparem-se...

 

Beijinho *


sinto-me sonolenta
música Elvis - Blue Suede Shoes

publicado por Caff Eine às 22:29 | link do post | comentar | ver comentários (6)

mais sobre mim
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

#3

cenas de aeroporto

the kills

blog fantasma

cinco minutos

...

The Tale XIII

uma migalha daqui, uma mi...

Dimanche, Dimanche

The Tale XII

arquivos

Setembro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

tags

5 para a meia noite laranja haiti profes

café vagabundo música moda saldos autoca

concerto

domingo franz ferdinand preguiça

drama novela rapaz the tale

euromilhões música dinheiro paris whatev

férias caos desculpa

música

música filme livro comida mulher mês gos

música the kills jamie hince alison moss

pedro cancro guitarra tale conto

pedro marco tale conto

pessoal

prémio

selo prémio

tramp arriscar risk aventura mentira

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds